×
.

Quem somos

ULEPICC – Brasil

O Capítulo Brasil da União Latina de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura (ULEPICC–Brasil) foi fundado em março de 2004, em Aracaju, capital do estado de Sergipe, como uma associação civil sem fins lucrativos, não fazendo qualquer tipo de distinção, como de credo político ou religioso. Visa reunir pesquisadores e profissionais atuantes na Economia Política da Comunicação, da Informação e da Cultura.

A entidade constitui-se como uma seção nacional da organização internacional Unión Latina de Economía Política de la Información, la Comunicación y la Cultura (ULEPICC-Federação), criada em Sevilha, na Espanha, no ano de 2002, com a incumbência de congregar pesquisadores do mundo latino, o que inclui nacionalidades como brasileira, espanhola, argentina, moçambicana, mexicana, canadense, portuguesa, francesa, chilena e angolana.

Uma das metas da ULEPICC-Brasil é estimular o debate da Economia Política da Comunicação, da Informação e da Cultura, de onde o intento de promover, dentre outros possíveis espaços acadêmicos, encontros bienais, desenvolvidos em parceria com instituições de ensino superior, realizadoras dos eventos.

Assim como a ULEPICC-Federação e os demais capítulos nacionais, a ULEPICC-Brasil visa contribuir para a reflexão pluralista sobre os problemas emergentes da Comunicação e da Cultura e o aperfeiçoamento e a revitalização intelectual dos sócios, mediante o intercâmbio de experiências entre os pesquisadores da área, assim como atingir os objetivos da Carta de Buenos Aires, que baliza a atuação da Economia Política da Comunicação.

Em consonância com seus propósitos, volta-se, dentre outras atividades, para:

  1. Realização de eventos de estudos de Comunicação, numa abordagem interdisciplinar;
  2. Desenvolvimento de pesquisas e atividades que representem uma contribuição para o campo;
  3. Promoção do intercâmbio de informações e experiências entre especialistas da área;
  4. Efetivação de acordos com entidades congêneres, institutos e órgãos de fomento à investigação social;
  5. Publicação de obras de cunho científico.